No mundo existem poucas coisas que são, sem sombra de dúvida, as melhores da sua classe.

Uma delas é o Habano.

Foi em Cuba, em 1492, quando a expedição espanhola, comandada por Cristovão Colombo, viu pela primeira vez o tabaco no Novo Mundo. Os índios Tainos enrolavam e prendiam umas folhas misteriosas, que chamavam “Cohibas”, numa cerimónia desconhecida para os descobridores.

Desde esse ponto de partida, há mais de 500 anos, que o tabaco é comercializado e plantado em todo o Mundo. Desde a sua descoberta que o Tabaco Negro Cubano é considerado o melhor do mundo por causa das condições únicas de cultivo que existem em certas zonas da ilha, distinção que indiscutivelmente detém há mais de cinco séculos.

A essência desta diferença encontra-se no tabaco e no seu sabor, a partir da união de quatro factores apenas existentes em Cuba: solos, clima, variedade de tabaco tipo negro cubano e o saber fazer dos produtores de tabaco e enroladores. É por isso que, noutros lugares podem ter sido adquiridas algumas qualidades e até sementes de Tabaco Negro Cubano, mas nunca o dom da natureza dos solos e do clima de Cuba poderá ser encontrado noutro local.

Também não poderá encontrar algo que iguale o conhecimento e cultura secular de cultivar o tabaco em Cuba, acumulados durante séculos:

  • o extraordinário trabalho que é realizado pelos vegueros – ou agricultores - neste tipo de cultura;
  • os meses e anos de sabedoria e paciente espera, antes que se possa considerar que a folha está pronta para confeccionar um Habano.

Outro rasgo distintivo é a definição do termo Habano. Todos os Habanos são cubanos, porém nem todos os charutos confeccionados em Cuba são Habanos.

Este título, Habanos, é a Denominación de Origen Protegida (D.O.P.) reservada para uma selecção das mais proeminentes marcas cujos tabacos são confeccionados seguindo as mais rigorosas normas a partir de folhas de tabaco, semeadas em zonas determinadas, também protegidas com denominação de origem.

São feitos Totalmente a Mano, aplicando métodos cubanos usados pela primeira vez em La Habana, há mais de dois séculos, transmitidos de geração em geração e que se mantiveram quase imutáveis até aos nossos dias. Mais de 500 processos manuais, incluindo processos agricolas e de fábrica, são realizados entre a sementeira e a colocação em caixas de Habanos. Todos têm que superar estritos controlos pré-estabelecidos pelo Consejo Regulador de la Denominación de Origen Protegida (D.O.P.) Habanos   para serem merecedores do apreciado  título Habanos.

O Habano: Uma referência de perfeição.